Loading...

domingo, 30 de maio de 2010

Cães: combates para elites


As lutas de cães de raça surgem tanto nas classes sociais baixas como altas. Os combates organizados por criadores são uma realidade já detectada pelas autoridades. No entanto, o meio ultra secreto onde se realizam e o facto de os próprios combates não estarem criminalizados na lei portuguesa, impede qualquer actuação.

Pitbull [Arquivo] que o PortugalDiário apurou, este combates ocorrem em circuitos muito fechados e envolvem essencialmente criadores de cães pitbull. Normalmente, estas lutas são combinadas entre dois criadores, que se conhecem, e que «desejam provar que o seu cão é invencível», explica fonte policial.

Nestes casos, as apostas rondam os 500 euros de cada parte. A verba é entregue ao árbitro e os cães são treinados durante meses. As lutas são semelhantes aos combates de boxe, ou seja, a vitória é determinada pela capacidade de resistência demonstrada.

Ao que foi já apurado pelas autoridades. estes combates de elite têm maior implementação no Norte do país, onde o volume de apostas é maior e há mais assistentes. Pelo contrário, em Lisboa o acesso a estes eventos é mais restrito, sendo que a única forma de entrada é conhecer um dos intervenientes, sendo ainda necessário que todos estejam de acordo.

Crianças assistem a lutas

Fora do circuito de criadores e das lutas espontâneas de rua, existe ainda um outro circuito. São lutas organizadas por proprietários de animais em garagens, armazéns ou recintos abertos. O objectivo destes combates é o lucro das apostas ilegais e o gozo do espectáculo.

Os bairros degradados surgem mais uma vez como palcos e nestes locais, é também frequente a presença de crianças. As autoridades estão preocupadas como fenómeno, não só pelo perigo para a integridade física, mas também pelo ideia de aceitação de violência que acaba por se transmitida.

Tosse dos Canis

Tosse dos Canis
Traqueobronquite Infecciosa Canina

Traqueobronquite infecciosa e uma enfermidade de cães que ataca o sistema respiratório dos animais produzindo crises de tosse deixando os proprietários com a impressão de que estão com algo trancado na garganta.

Trata-se de uma doença que aparece sem avisar não proporcionando ao proprietário indicio nenhum do problema antes dele se instalar. Pode atingir animais de diferentes faixas de idade, tendo como característica episódios de tosse associados a dificuldade respiratória em menor ou maior intensidade.

Os agentes causadores desta doença são:
Adenovirus tipo 2
Parainfluenza vírus
Bordetela bronchiseptica

Os animais mais susceptíveis a Tosse dos Canis são os filhotes recém desmamados, dentre os adultos os debilitados pôr outras doenças, como verminoses, submetidos a STRESS viagens longas confinamentos em clinicas, hotéis, caixas em exposições, alimentações inadequadas, anemias etc...

A doença e altamente transmissível pôr aerossóis (pequenas gotas eliminadas pêlos espirros) e os animais apresentam os primeiros sintomas entre 3 a 10 dias após a infecção podendo persistir com os sintomas 3 a 4 semanas.

A Bordetelose pode atingir 15 espécies animais diferentes dentre elas o próprio homem. Pôr este motivo o controle desta doença é importante para a saúde dos animais proprietários e veterinários.

Fatores ambientais como, produtos de limpeza a base de formol, poeira, alterações bruscas de temperatura também podem predispor os animais a crises de tosse favorecendo a penetração de microorganismos da tosse dos canis.

A irritação das narinas podem facilitar a penetração dos micróbios existentes no chão, na terra e complicar produzindo uma secreção purulenta pelo nariz. Nestes casos se faz necessário a aplicação de antibióticos, principalmente quando estes animais apresentarem falta de apetite, febre, apatia e perda de peso.

Recomenda-se a imunização dos filhotes através do uso de vacinas intranasais a partir de 8 semanas de idade com revacinação anual.

As vacinas injetáveis disponíveis hoje no mercado, alem de não oferecerem proteção contra o Adenovirus tipo 2 sabidamente não apresentam papel importante na proteção das mucosas nasais dos animais.

Além disso necessitam a aplicação de 2 doses com intervalo de 15 dias para que produzam o efeito desejado.

Ultimamente tenho atendido em media 2 casos ao dia em minha clinica isto da uma idéia da dimensão deste problema que vem acontecendo coincidentemente a queda de temperatura.

Quem tem o seu pet de estimação ou tem criação deve se atentar a esta doença que veio para ficar infelizmente, procurando adotar como rotina a vacinação anual de seus animais.

Dr. Antonio Carlos Uhr
Médico Veterinário

abandano

O abandono de animais, em especial os animais domésticos como cães e gatos, é um problema que afeta de maneira cada vez mais os grandes centros urbanos ao redor do mundo, principalmente no ocidente. Contudo, o abanodono de animais domésticos não é o único problema, há ainda inúmeros casos de circos que chegam a abandonar leões e tigres, por exemplo, que no caso da cidade de São Paulo são por vezes recolhidos pela Associação Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, uma associação civil atuando há 15 anos e formalmente constituída no ano de 2000. Somente no ano de 2002 foram recebidos 2.500 animais encaminhados pela Polícia Ambiental eIbama, o que representa 12% do total de apreensões realizadas no Estado de São Paulo, e no ano de 2003 cerca de 2.400 animais, o que representa 13% do total de apreensões realizadas no Estado de São Paulo.[1] No caso dos cães e gatos, eles são frequentemente recolhidos para os centros de zoonoses, onde ficam alojados por um breve número de dias antes de serem sacrificados. A respeito dessa prática que fere os direitos animais, o Instituto Nina Rosa produziu um vídeo educativo intitulado Fulaninho, que relata a vivência de um cãozinho abandonado. O vídeo é dirigido a crianças e adolescentes e aborda o tema da posse responsável dos animais de estimação.


O abandono de animais, além de ser uma grave violação dos direitos animais, gera inúmeros problemas de segurança e saúde pública nos grandes centros urbanos.

Causas de abandono


Cães

18,5% Suja a casa
12,6% Destrutivo fora de casa
12,1% Agressivo com pessoas
11,6% Fujão
11,4% Activo demais
10,9% Requer muita atenção
10,7% Late ou uiva muito
9,7% Morde
9,7% Destrutivo dentro de casa
9,0% Desobediente
  • Pesquisa feita nos EUA em 12 abrigos, envolvendo 1.984 cães e 1.286 gatos. As somas passam de 100% porque um dono pode ter alegado mais de um motivo para abandonar seu animal. Apud: Revista da FOLHA de 7 de janeiro de 2007






























Gatos

37,7% Suja a casa
11,4% Destrutivo fora de casa
10,9% Agressivo com pessoas
8,0% Não se adapta com outros pets
8,0% Morde
6,9% Requer muita atenção
12,6% Destrutivo fora de casa
4,6% Eutanásia por motivos de comportamento
6,9% Não amistoso
4,6% Activo demais
  • Fonte: Revista veterinária "Journal of Applied Animal Welfare Science". Apud: Revista da FOLHA de 7 de janeiro de 2007


veja

Projeto de pesquisa: ‘’ Avaliação Cardíaca em cães obesos’’ - FMVZ –USP

  • Estamos recrutando cães obesos saudáveis (não serão incluídos animais com doença sistêmica debilitante, doença cardíaca, doenças infecciosas e endocrinopatias) entre 1 e 9 anos de idade que não façam uso de corticóides, anticonvulsivantes e hormônios. Para participar os animais passarão por uma seleção e sendo previamente aprovados, passarão por exame físico, exames laboratoriais e posteriormente será realizada a avaliação cardíaca. É um check-up bem completo! Esses exames são realizados no Hospital Veterinário da USP (só funciona durante a semana). A avaliação cardíaca dos animais selecionados para o projeto será realizada de forma gratuita, porém o proprietário do animal deve ter disponibilidade de vir a USP mais de uma vez! Em caso de interesse, mandar um email para:caesobz@yahoo.com.br

  • Também estamos recrutando cães em boa forma física (não obesos) de 1 a 9 anos de idade, saudáveis e que não estejam recebendo nenhuma medicação. Os animais não obesos também passarão por uma seleção prévia e sendo aprovados, passaram por exame físico, exames laboratoriais e posteriormente será realizada a avaliação cardíaca. É um check-up completo! Esses exames serão realizados no Hospital Veterinário da USP (que funciona durante a semana) e são gratuitos, porém o proprietário do animal deve ter disponibilidade de vir a USP mais de uma vez! Em caso de interesse, mandar um email para: caesobz@yahoo.com.br

panda

Espécies

Panda, nome comum que se aplica a duas espécies: o Panda-Pequeno, também chamado de Panda-Vermelho, e o Urso-Panda-Gigante.

Panda-Pequeno

É de tamanho semelhante a de um gato grande. Tem a pelagem castanho-avermelhada ornamentada de preto e branco, com a parte frontal das orelhas, as faces e o focinho brancos. A cauda é longa e peluda, e exibe um desenho de listras vermelhas e amarelas. Habita os bosques de bambu do oeste da China e do Himalaia.

Urso-Panda-Gigante

Descoberto a pouco tempo, em 1869, nas florestas de bambu do Tibet e da China ocidental. É um animal grande, muito parecido com um urso, tem até 1,80 m de altura e pesa de 75 a 160 kg.

Filhote de panda

Filhote de panda.

Alimenta-se de brotos de bambu. Tem uma pelagem longa, branca, densa e de aspecto lanoso; as patas, os ombros, as orelhas e a área dos olhos são negras. Habita os bosques frios de bambu do centro da China.

Uma modificação curiosa do urso-panda-gigante, Ailuropoda melanoleuca, é o alongamento de um dos ossos da pata dianteira, o sesamóideo radial, que forma uma espécie de polegar, com o qual o animal é capaz de agarrar e manipular com precisão os brotos de bambu que constituem sua principal dieta.

É uma espécie considerada ameaçada. Existem pouquíssimos exemplares vivos na natureza e os esforços realizados até agora para que ele se reproduza em cativeiro não têm tido muito êxito.

Veterinários da Base de Pesquisa sobre Panda Gigante de Chengdu, na China, alimentam bebês panda com aproximadamente 40 dias de vida. A China tenta assegurar que seu animal símbolo não seja simplesmente um residente de zoológicos, e demarcou um terreno de quase 14 mil km² para esses animais viverem livres.

Urso-panda-gigante

Urso-panda-gigante

Panda-Pequeno e Urso-Panda-Gigante

Urso-panda. Embora sejam geralmente incluídos na família dos raccoons, alguns zoólogos acreditam que as duas espécies de panda não são aparentadas e que o panda-gigante pertence de fato à família dos ursos.

sábado, 29 de maio de 2010

trabalho de bio

Genética

Nome: Allana, Daniele, Michelie , Jeferson

O que são doenças genéticas?

Doença genética é todo e qualquer distúrbio que afete nosso material genético. Portanto, qualquer doença não infecciosa, não contagiosa que afete o material genético, em maior ou menor escala, é uma doença genética. Câncer, por exemplo, é uma doença genética, assim como hipertensão, diabetes e obesidade.

Síndrome de down ou trissomia do cromossoma 21: é um distúrbio genético causado pela presença de um cromossomo 21 extra total ou parcialmente. A síndrome é caracterizada por uma combinação de diferenças maiores e menores na estrutura corporal. Geralmente a síndrome de Down está associada a algumas dificuldades de habilidadecognitiva e desenvolvimento físico, assim como de aparência facial. A síndrome de Down é geralmente identificada no nascimento.

Causa

Trissomia 21 simples (ou padrão)

A pessoa possui 47 cromossomos em todas as células (ocorre em 95% dos casos de Síndrome de Down).

Mosaico

A alteração genética compromete apenas parte das células, ou seja, algumas células têm 47 e outras 46 cromossomos (2% dos casos de Síndrome de Down).

Translocação

O cromossomo extra do par 21 fica "grudado" em outro cromossomo. Nese caso embora indivíduo tenha 46 cromossomos, ele é portador da Síndrome de Down (cerca de 3% dos casos de Síndrome de Down).

É importante saber, que no caso da Síndrome de Down por translocação, os pais devem submeter-se a um exame genético, pois eles podem ser portadores da translocação e têm grandes chances de ter outro filho com Síndrome de Down.

Algumas das características físicas das crianças com síndrome de Down são:

1

achatamento da parte de trás da cabeça,

2

inclinação das fendas palpebrais,

3

pequenas dobras de pele no canto interno dos olhos,

4

língua proeminente,

5

ponte nasal achatada,

6

orelhas ligeiramente menores,

7

boca pequena,

8

tônus muscular diminuído,

9

ligamentos soltos,

10

mãos e pés pequenos,

11

pele na nuca em excesso.

Aproximadamente cinqüenta por cento de todas as crianças com a síndrome têm uma linha que cruza a palma das mãos (linha simiesca), e há, freqüentemente, um espaço aumentado entre o primeiro e segundo dedos do pé. Freqüentemente estas crianças apresentam mal-formações congênitas maiores.

Tratamento

Até o momento não há cura. A Síndrome de Down é uma anomalia das próprias células, não existindo drogas, vacinas, remédios, escolas ou técnicas milagrosas para curá-la.

Com os portadores da Síndrome de Down deverão ser desenvolvidos programas de estimulação precoce que propicia em seu desenvolvimento motor e intelectual, iniciando-se com 15 dias após o nascimento.

SÍndrome de Turner

A síndrome de Turner é bastante rara e ao contrário da síndrome de Klinefelter afeta apenas indivíduos de sexo feminino e não possui cromatina sexual, são monossomicos, ou seja, em exames de seu cariótipo revelou a presença de 45 cromossomos, sendo que do par dos sexuais há apenas um X. Sendo seu cariótipo representado por 45,X.

A ST ocorre em apenas 1 mulhere entre 3.000 nascimentos, devido ao grande número de abortos que chega ao índice de 90-97,5%).

O surgimento da sindrome pode surgir quando esta ausente o cromossomo x paterno no espermatozóide.

As meninas com esta Síndrome são identificadas ao nascimento, ou antes, da puberdade por suas características fenotípicas distintivas. A constituição cromossômica mais freqüente é 45, X sem um segundo cromossomo sexual, X ou Y.

Anomalias Clínicas e Incidência Aproximada

Estrutura baixa

100%

MAL FUNCIONAMENTO DOS OVÁRIOS

90%

Mãos e pés inchados

80%

Peito largo

80%

Linha posterior do cabelo baixa

80%

Orelha de formato incomum

80%

Mandíbula pequena e mais baixa

70%

Braços virados para fora

70%

Anomalias renais

60%

Pescoço com dobras

50%

Anomalias cardíacas

50%

Perda de audução

50%

Arco do palato alto e estreito

40%

Anomalias Ocasionais

DISPLASIA DOS QUADRIS

Escoliose

Diabetes mellitus

Hipertensão idiopática

Tendência a formação de quelóides

Curva glicêmica anormal

DOENÇA DE CHROHN

Tendência a obesidade

DISFUNÇÕES TIROIDIANAS

Catarata

alt="Síndrome de Turner" v:shapes="_x0000_i1026"> alt="Síndrome de Turner" v:shapes="_x0000_i1027">

* As fotos acima nos mostram um feto que foi abortado e uma criança de aproximadamente seis anos de idade portadores da síndrome de Turner . Note que ate mesmo o feto possui o pescoço curto e um grau pronunciativo de edema nas mãos e pés , essas características da doença já ficam mais evidente na criança ao lado , esta com o pescoço curto e o peito largo em forma de escudo.

Tratamento

A síndrome de Turner não estando associada com nenhum fator externo (ambiental), nem com retardo mental. Existem métodos didáticos alternativos que facilitam o aprendizado da leitura verbal, mas dificultam o entendimento e a resolução de problemas matemáticos e espaciais. Porém, com determinação e paciência, qualquer diferença pode ser compensada.

Sendo uma condição cromossômica, não há cura para a síndrome de Turner, porém, certos procedimentos, feitos cedo o bastante, possibilitam a redução dos efeitos do desequilíbrio cromossômico:

Hormônio do crescimento, sozinho ou acompanhado por um androgênico fraco, irá melhorar a velocidade de crescimento e provavelmente a altura final da mulher adulta.

Terapia de reposição de estrógeno tem sido usada desde que a condição foi descrita em 1938 para promover o desenvolvimento de características sexuais secundárias.

Modernas tecnologias também vêm sendo usadas para ajudar mulheres com Síndrome de Turner a engravidarem, caso desejarem. Uma doadora de um óvulo é usada para gerar um embrião, o qual será carregado pela mulher com Síndrome de Turner.

Nova Pesquisa

David Skuse e seus pesquisadores do Institute of Child Health estão pondo em andamento um trabalho interessantíssimo relacionado com a Síndrome de Turner. Esta pesquisa foi publicada em uma das mais conceituadas revistas de medicina americana, Nature. Dr Skuse apresenta esse trabalho como sendo uma evidência de que existe um gene responsável pelo comportamento social. Uma vez que jovens com Síndrome de Turner geralmente possuem apenas um cromossomo X, o seu fenótipo (a maneira de um gene se expressar) poderia fornecer pistas importantes dos genes presentes no cromossomo X. O cromossomo X de uma jovem com Turner pode ter sido herdado de sua mãe ou de seu pai. Esta é a razão pela qual se estudou o comportamento social de uma garota com Turner, especificamente.

sindrome klinefelter

Uma anormalidade cromossômica que afeta somente os homens e causa hipogonadismo( Secreção diminuída ou ausente de hormônios das gônadas).

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa da síndrome de Klinefelter é a existência de um cromossomo X adicional que afeta somente os homens. O recém-nascido parece normal, mas o defeito geralmente se torna aparente na puberdade quando características sexuais secundárias deixam de se desenvolver e alterações testiculares ocorrem causando eventualmente infertilidade na maioria dos homens afetados. Alguns casos leves passam despercebidos sem anormalidades presentes exceto a infertilidade. Um fator de risco pode ser idade avançada da mãe.

Características do Portador

A característica mais comum é a esterilidade. Possuem função sexual normal, mas não podem produzir espermatozóides (Azoospermia) devido à atrofia dos canais seminíferos e, portanto são inférteis.

Outras características muitas vezes presentes são: estatura elevada e magros, com braços relativamente longos; pênis pequeno; testículos pouco desenvolvidos devido à esclerose e hialinização dos túbulos seminíferos ; pouca pilosidade no púbis; níveis elevados de LH e FSH, podem apresentar uma diminuição no crescimento de barba; ginecomastia (crescimento das mamas), devido aos níveis de estrogênio (hormônio feminino) mais elevados do que os de testosterona (hormônio masculino). Em alguns casos tornam-se necessária à remoção cirúrgica; problemas no desenvolvimento da personalidade provavelmente em decorrência de uma dificuldade para falar que contribuem para problemas sociais e/ou aprendizagem.

Muitos homens têm sido avaliados e as quatro condições mais comuns encontradas são:

Esterilidade

Desenvolvimento de seios (Ginecomastia)

Características masculinas incompletas

Problemas sociais e/ou de aprendizagem

A característica mais comum em um homem com Síndrome de Klinefelter (SK) é a esterelidade. Adolescentes e adultos com SK possuem função sexual normal mas não podem produzir espermatozóides e portanto não podem ser pais. Está presumido que todos os homens sindrômicos são inférteis. Freqüentemente adolescentes masculinos com SK podem sofrer desenvolvimento de seios. De fato, isto não é muito diferente de meninos sem SK que também podem apresentar o desenvolvimento de seios durante a puberdade, entretanto em meninos normais os seios são temporários e tendem a desaparecer, enquanto naqueles que apresentam a síndrome eles podem persistir e aumentar de tamanho. Em alguns casos torna-se necessária a remoção cirúrgica.

ratamento

Deve ser feito o acompanhamento periodico do nível de testosterona (hormônio sexual masculino) no sangue, para verificar sua normalidade. Caso o nível de testosterona encontre-se baixo isso irá resultar na diminuição das mudanças sexuais que ocorrem durante a puberdade.

Para controle é comum a aplicação de uma vez ao mês uma injeção de Depotestosterona, uma forma sintética de testosterona. A dose necessita ser aumentada gradualmente e ser aplicada mais freqüentemente quando o menino torna-se mais velho.

Síndrome do triplo X

A Síndrome do Triplo-X é uma aberração cromossômica numérica que atinge 1 em cerca de 800 a 1000 mulheres. As mulheres portadoras dessa síndrome apresentam um cromossomo X a mais, totalizando um cariótipo com 47 cromossomos: 47, XXX. Quase todos os erros relacionados à essa síndrome ocorrem durante a ovulogênese, pela não disjunção dos cromossomos.

Algumas mulheres podem apresentar até 4 ou 5 cromossomos X extras. Quanto mais cromossomos X, maio o índice de retardo mental nessas mulheres.

Existem mulheres portadoras dessas aberrações cromossômicas, mas desconhecem a doença por não apresentarem os sintomas.
Os sintomas dessa síndrome envolvem:

- Menor grau de inteligência
- Pessoa com características sexuais e comportamentais femininas
- Mulheres tendem a ser altas
- Múltiplas peles frouxas no pescoço
- São férteis
- Podem entrar na menopausa precocemente
- Retardamento mental (o grau de retardamento varia entre as portadoras)

Algumas portadoras são férteis, mas em alguns casos a doença pode causar esterilidade.Mulheres portadoras podem dar origem a crianças perfeitamente normais. Esta síndrome só ocorre em mulheres, nas quais são fenotipicamente normais, não apresentando assim, nenhuma diferença ou aberração na sua aparência física.

Tratamento> Não é possível curar visto que é uma anomalia genética. Porém o tratamento pode ser feito com calmantes, tratamentos hormonais e um acompanhamento pedagógico.

Síndrome do miado do gato

O Síndrome de Cri du Chat (CDC) é uma anormalidade cromossomica que resulta em dificuldades no aprendizado.


Quem descobriu?
Foi descoberta por Jerome Lejeune, um geneticista francês, em 1963.

Porquê este nome?
O nome da síndrome veio com o característico choro dos recém-nascidos que muito faz lembrar um miar de um gatinho.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa da síndrome do miado do gato é a deleção de informação no cromossomo 5. A causa dessa deleção rara é desconhecida. Crianças com síndrome do miado do gato geralmente tem um choro distinto, como um miado de gato. Também têm um extenso grupo de anormalidades, com o retardo mental grave sendo a mais importante.

Tratamento:

Não há nenhum tratamento disponível para esta síndrome. O retardo mentalprecisa ser acompanhado e o aconselhamento profissional é recomendado para os pais.

Síndrome de felty

Definição:

Distúrbio caracterizado pela artrite reumatóide, pela dilatação do baço, pela redução na contagem de glóbulos brancos e pelas infecções recorrentes.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa da síndrome de Felty é desconhecida. É uma variação da artrite reumatóide e é comum em pessoas que sofrem de artrite reumatóide há muito tempo. As pessoas com esta síndrome apresentam uma maior incidência de infecções associadas com a baixa contagem de glóbulos brancos.

Tratamento:

As pessoas com esta síndrome usualmente estão em tratamento para artrite reumatóide.

Uma esplenectomia (extirpação do baço) pode melhorar a contagem de glóbulos brancos e a susceptibilidade às infecções.

Expectativas (prognóstico):

Sua progressão é semelhante a da artrite reumatóide. A realização de uma esplenectomia pode ser benéfica para algumas pessoas.

Complicações:

Podem aparecer infecções recorrentes.

Solicitação de assistência médica:

Marque uma consulta com seu médico se aparecerem os sintomas deste distúrbio.

Bibliografia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Síndrome_de_Down

http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?393

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sindrome-de-turner/sindrome-de-turner-2.php

http://www.ghente.org/ciencia/genetica/turner.htm

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sindrome-de-klinefelter/sindrome-de-klinefelter-3.php

http://www.ghente.org/ciencia/genetica/klinefelter.htm

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sindrome-de-klinefelter/

http://www.infoescola.com/doencas-geneticas/sindrome-do-triplo-x/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Síndrome_cri-du-chat

http://adam.sertaoggi.com.br/encyclopedia/ency/article/001593.htm

http://margarida-biologia.blogspot.com/2008/01/sndrome-do-miado-do-gato.html

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20100429154303AAstaZM

http://adam.sertaoggi.com.br/encyclopedia/ency/article/000445trt.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Doenças_genéticas

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Yahoo

Pq não adotar um cão sem raça definida?

Vejo muito interesse das pessoas em adotar ou até mesmo comprar cães que se dizem ser de raça.Agora eu pergunto pq não adotar um cão sem raça definida..Existem vários cães nas ruas,nos abrigos...não é difícil de achar e pq mesmo assim as pessoas acham certo comprarem vidas.
O que eu acho mais engraçado é que os "cães de raça" são a mistura de várias outras raças para eles serem gerados no final.Ai eu pergunto qual a diferença entre o famoso "vira-lata"(que nada mais é do que a mistura de várias raças)e um de raça?
Será que a população não tem que rever seus conceitos e acabar com essa discriminação??

Melhor resposta - Escolhida por votação

A ignorancia é muito grande.
Pra vc ter uma ideia, meu pai acha que vira-lata não pode ser adestrado, sendo que eu tenho uma vira, e ela é adestrada, e mesmo assim ele não se convençeu, ele disse "é pq ela é mestiça" (tentando arrumar desculpa), mas eu disse pra ele o mesmo que vc disse ai, todo cão, ate o vira, veio de outras raças, é a mesma coisa de dizer, "no mundo dos humanos" que um branco aprende e um negro não. Isso não existe, mas as pessoas, em sua grande maioria, até hj pensam que um vira-lata é inferior.
Pra vc ter uma ideia, a Sofia (vira-lata) é uma das cachorras mais inteligentes do mundo, ela é a cadelinha encontrada na rua, ainda filhote pelo Alexandre Rossi (zootecnilogo e adestrador), ela simplismente foi treinada para se comunicar atravez de um tipo de "teclado" com o Alexandre, cada botão sai uma fala, tipo "quero comida" "quero passear" e cada vez que ela quer uma coisa ela aperta! Ela é a primeira cadela NO MUNDO a fazer isso, e é uma vira-lata linda.

As pessoas, principalmente no Brasil são muito preconceituosas, tanto com humanos, tanto com cães, eu e muitas outras pessoas (como vc tbm), tentam mudar isso, concientizando sobre o valor de um vira-lata e da importancia da adoção!